Arquivo da tag: top 10

os melhores discos de 2013

Um dos primeiros posts do Geek Land listou os melhores filmes geek que chegaram (ou chegariam) aos cinemas em 2013, de acordo com a minha humilde opinião. E hoje eu vou contar pra vocês quais foram os meus 10 discos favoritos nesse ano. Afinal, já é Natal na Leader Magazine já é dezembro, e acho que já dá pra fazer um balanço razoavelmente justo. Vou falar pra vocês que, pra mim, foi bem difícil fazer essa listinha resumida – e, mais, elencar os álbuns numa ordem justa de preferências! Mas vamos lá:

10- What About Now – Bon Jovi

O 12º álbum da banda de New Jersey foi criticado negativamente por muita gente, mas eu achei bacana. Sim, Bon Jovi é uma banda um pouco cliché (e deu pra perceber isso claramente no Rock in Rio, abarrotado de gente que conhecia apenas os hits mais populares da banda), mas dá pra notar nesse álbum as raízes do rock n’ roll da década de 1980. Destaque para ‘Because We Can‘, ‘The Fighter‘, e para aquela que dá nome ao álbum.

9- Native – OneRepublic

O 3º álbum de estúdio entrou nessa lista por motivos de: ‘Counting Stars‘. OneRepublic não é uma das minhas bandas favoritas, mas vez e outra eles lançam umas músicas que merecem 5 estrelas no meu iTunes e acabando tocando no repeat por horas na minha vida. Gostei tanto dessa música que acabei ouvindo o álbum todo, e gostei também de ‘If I Lose Myself‘ e ‘Feel Again‘.

8- Mechanical Bull – Kings of Leon

Tinha muito tempo que eu esperava por um disco do Kings of Leon que me fizesse ter vontade de gritar as canções da banda a plenos pulmões como eu faço com ‘Use Somebody‘, embora eu tenha curtido bastante o álbum “Come Around Sundown“. Destaque para ‘Supersoaker‘, ‘Comeback Story‘, ‘Rock City‘, e ‘Don’t Matter‘.

7- To be Loved – Michael Bublé

A voz suave de Michael Bublé, combinada à músicas cheias de sentimento, faz desse um disco perfeito. O disco conta com a participação de Bryan Adams em ‘After All‘, Reese Witherspoon em ‘Somethin’ Stupid‘, Naturally 7 em ‘Have I Told You Lately That I Love You‘, e The Puppini Sistes em ‘Nevertheless (I’m In Love With You)‘. Destaque também para ‘To Love Somebody‘, ‘Who’s Lovin’ You‘, ‘Come Dance With Me‘, ‘To Be Loved‘ e, claro, ‘You’ve Got a Friend in Me‘.

6- AM – Arctic Monkeys

Com uma batida intrigante, o 5º álbum dos Arctic Monkeys parece ter sido gravado por 4 caras que gostam de improvisar música na garagem de casa. E é isso o que sempre mais me atraiu no som do Arctic Monkeys: essa coisa crua que tem no som deles. O álbum conta com participações especiais de Josh Homme, Bill Ryder-Jones, e Pete Thomas. Lançado em setembro, esse álbum foi nomeado para diversos prêmios em 2013, ganhando o Q Awards de melhor faixa para ‘Do I Wanna Know?‘. ‘One for the Road‘, ‘Mad Sounds‘, ‘Fireside‘, ‘I Wanna Be Yours‘, e ‘Why’d You Only Call Me When You’re High?‘ merecem atenção em um álbum tão bom que é difícil escolher poucos destaques.

5- Comedown Machine – The Strokes

Eu tinha perdido um pouco a fé nos Strokes depois de Angles. Na verdade, o First Impressions of Earth já tinha me deixado um pouco desanimada, ainda que tenha algumas faixas que eu ame de paixão. Mas Comedown Machine ~restaurou a minha fé~ e me fez reconhecer os Strokes que eu gostava tanto no início dos anos 2000. A minha favorita é ‘80s Comedown Machine‘, mas ‘One Way Trigger‘, ‘All the Time‘, e ‘Call It Fate, Call It Karma‘ também merecem destaque.

4- The 20/20 Experience 2 of 2 – Justin Timberlake

Parte da The Complete Experience, o 2º álbum de inéditas lançado em 2013 por Justin Timberlake é totalmente excelente. Sim, ele lançou dois álbuns de inéditas em um mesmo ano, depois de 7 anos de jejum. Qual não foi a minha surpresa quando eu soube!! Em setembro, o “príncipe do pop” trouxe a sua batida inconfundível para um álbum maravilhoso, que tem uma característica que eu amo: a continuidade. Parece que uma música foi perfeitamente pensada para continuar a outra. Além disso, as músicas são enormes (‘Gimme What I Don’t Know (I Want)‘ é a menor delas, com 5min31seg), cheias das melhores referências possíveis. Destaque para ‘True Blood‘, ‘TKO‘, ‘Take Back the Night‘, ‘Drink You Away‘, e ‘Only When I Walk Away‘. Ah, sim, e eu vou me arrepender muito a vida inteira de não ter ido no Rock in Rio no dia do show do Timberlake (sim, isso seria contra os meus princípios, mas pelo Justin eu deveria ter quebrado as minhas regrinhas).

3- The 20/20 Experience – Justin Timberlake

Sim, Justin Timberlake não só lançou dois álbuns de inéditas em um mesmo ano, como os dois entraram nessa listinha de top 10. Acontece que a ~parte 1~ da “experiência”, lançada em março, é, na minha opinião, ainda melhor do que a segunda, por motivos de: eu esperei muitos anos por um disco de inéditas do Justin, e aí ele lança um disco que é redondinho do início ao fim, cheio de músicas que mereceram 5 estrelas no meu iTunes. É por isso que esse álbum é mais do que top 10, é top 3 em 2013! Eu tinha uma expectativa muito alta depois do Futuresex/Lovesounds, que é um dos álbuns que eu mais gosto na vida, e todas elas foram superadas pelo The 20/20 Experience – aliás, The Complete Experience superou qualquer expectativa que eu tinha. Esse álbum tem a mesma continuidade entre as músicas do 2 of 2, e as faixas ‘Pusher Love Girl‘, ‘Suit & Tie‘, ‘Don’t Hold the Wall‘, ‘Tunnel Vision‘, ‘Spaceship Couple‘ e ‘Let the Groove In‘ me fizeram lembrar o quanto eu sempre fui apaixonada pelo “príncipe do pop”, com orgulho e com amor. Aí eu ouvi ‘Mirrors‘ e eu já não sabia mais o que fazer da minha vida, porque essa música me emociona de um jeito que eu nem sei explicar.

2- Paradise Valley – John Mayer

Imagina a situação: você é muito muito fã de um cantor/compositor há mais de uma década e ele, de repente, descobre que tem um tumor na garganta. Eu simplesmente surtei quando soube que o John, o meu John, tava nessa situação em 2011. Esse tumor, inclusive, atrasou o lançamento do álbum Born and Raised em alguns meses. Quando Paradise Valley saiu, eu mal podia esperar pra ver (ouvir) o que o meu John tinha escrito pra mim (sim, eu falo dele com essa propriedade mesmo, é meu e pronto!), e todas as minhas expectativas tinham sido superadas. Ok, eu sou um tanto suspeita, mas eu me apaixonei por TODAS as faixas desse disco na primeira vez que eu ouvi. A vontade era dar 5 estrelas pra todas no iTunes, e comprar várias cópias do disco, pra deixar uma em cada canto e poder ouvir o tempo todo. É esse o disco que eu escolho pra ouvir quando tô estressada por causa da dissertação e/ou do mestrado, e também quando tô feliz. ‘Wildfire‘, ‘Dear Marie‘, ‘Waitin’ on the Day‘, ‘Paper Doll‘, ‘I will be found (Lost in the Sea)‘, ‘You’re No One ‘Til Someone Lets You Down‘, e ‘Badge And Gun‘ são absolutamente maravilhosas. Thank you, John; thank you.

1- Lightning Bolt – Pearl Jam

Em qualquer outra circunstância, quem ocuparia o 1º lugar nessa lista seria John Mayer com seu Paradise Valley, porque, né, é o John Mayer. Na verdade, John reinava soberano no topo da lista até que chegou outubro e, com ele, esse disco maravilhoso do Pearl Jam. E aí eu vi que eu era obrigada a eleger Lightning Bolt o melhor disco de 2013. A atmosfera densa do disco e faixas como ‘Mind your Manners‘, ‘Infallible‘, ‘Pendulum‘, e ‘Let the Records Play‘ me fazem ter certeza de que esta é a escolha certa. E, como se não bastasse, ‘Sirens‘ foi eleita não só uma das minhas músicas favoritas de 2013, mas uma das minhas músicas favoritas da vida pra sempre. Eu ouço essa música repetidas e incontáveis vezes seguidas, e ouço o álbum incontáveis vezes. É muito amor, muito amor mesmo. Esse é um daqueles discos pra se ouvir por muitos e muitos anos sem perder o encanto pelas notas cruas e raivosas que soam tão maravilhosas por conta do brilhantismo de Jeff Ament, Stone Gossard, Mike McCready, Matt Cameron, e, é claro, do muso maior Eddie Vedder. Eddie pode ter cortado os cabelos, mas o seu charme, o seu garbo e a sua elegância permanecem os mesmos.

Anúncios

um geek year nos cinemas

2013 está quase acabando e podemos dizer que foi um bom ano para os geeks irem aos cinemas. Sim, ainda há muito por vir, porém já podemos fazer um balanço do que já assistimos – e também compartilhar as nossas expectativas pelo que ainda está por vir. Ao todo, poderíamos listar cerca de 50 “geek movies”, ainda que nem todos tenham chegado ou cheguem ao circuito brasileiro (ou niteroiense).

Foi difícil, mas elegi os meus top 10 filmes geeks que assisti nos cinemas em 2013. Vem ver:

10- O Cavaleiro Solitário

O Cavaleiro Solitário

  • Falem o que quiser, eu gostei desse filme. E como eu não poderia gostar se o filme era dirigido pelo Gore Verbinski, produzido pelo Jerry Bruckheimer, e ainda tinha Johnny Depp?! Menção honrosa pro Armie Hammer. O ~recalque hollywoodiano~ que assombrou esse filme bate nos longos cabelos de Depp e volta.

9- Universidade Monstros

Monsters University

  • Vocês podem até questionar, espernear, dizer que “filme de criança não”. Mas, gente, fala sério: Mike Wazowski chegando na faculdade de aparelho?! Me senti muito representada (até porque quando estreou eu estava usando aparelho – de novo -, mas isso é história pra outro post). É claro que esse filme – um prequel – não tem o apelo de Monstros S.A., mas é bastante divertido, e tem várias lições bacanas pra essa geração que tá crescendo agora. Talvez eu esteja exagerando um pouquinho, mas é possível dizer que se mais crianças fossem tocadas pela história desse filme – que fala de bullying, amizade, superação – o mundo seria um lugarzinho melhor quando os baixinhos de hoje forem grandinhos amanhã.

8- Jurassic Park: O Parque dos Dinossauros 3D

Jurassic Park 3D

  • Acho que essa versão em 3D é a realização dos sonhos de uma geração – ou várias gerações – né? Não tem nem muito o que dizer sobre esse filme. Achei muito bom ver a tecnologia de 1993 ser transformada pras telonas em 2013. Way to go, Spielberg.

7- O Homem de Aço

  Man of Steel

  • Esse talvez tenha sido a maior decepção de todos os filmes que assisti em 2013. Ok, é muito bom; ok, os efeitos são incríveis. Mas eu esperava mais. Com a direção de Zack Snyder e produção de Chris Nolan, eu esperava que a história tivesse sido melhor contada, e também esperava uma atuação mais pujante Henry Cavill. Da Amy Adams eu nem falo muito que é pra não ficar mais decepcionada: ela é uma atriz que eu adoro, mas achei que a Lois Lane dela ficou aquém do esperado (pelo menos por mim). 

6- Meu Malvado Favorito 2

Despicable Me 2

  • O Gru é um geek de coração, né? Eu fiquei completamente gamada pelo Meu Malvado Favorito e aguardava ansiosamente pela continuação. Tudo bem que foi um filme quase que só sobre os minions, mas acho que a Universal soube explorar bem o sucesso dos pequenos e adorados personagens pra fazer um filme que agradasse a todos.

5- Red 2: Aposentados e Ainda Mais Perigosos

Red 2

  • Esse foi com certeza um dos melhores do ano. Me diverti pra caramba com esse filme que, convenhamos, já ganha a gente em qualquer trailer, com um elenco fera desses. As sequências de ação são fantásticas e, combinadas ao humor inteligente, faz desse um daqueles filmes que vale o ingresso, a pipoca, a Coca Cola, e mais um pouco. 

4- Wolverine: Imortal

Wolverine

  • Taí um filme que provocou em mim o efeito contrário d’O Homem de Aço: eu fui com tão pouca expectativa (ok, nem tão pouca assim) que acabei sendo positivamente surpreendida. É verdade que eu gosto bem mais das HQs da Marvel do que da DC, e que tenho um carinho especial (~own que fofo~) pelos X-Men, mas eu realmente gostei bastante do filme. Ao contrário de Homem de Aço, que me cansou um pouquinho, eu curti cada segundo da projeção de Wolverine: Imortal. Ponto para a cena depois dos créditos, que me fez encher os ólhos d’água com esperança (e vou parar de falar sobre isso por aqui porque, né, vai que alguém não assistiu).

3- Pacific Rim

Pacific Rim

  • Monstros gigantes lutando contra robôs gigantes. Preciso dizer mais alguma coisa? Ah, sim, obrigada, Guillermo Del Toro.

2- Homem de Ferro 3

Iron Man 3

  • Ok, eu tenho uma queda pelo Homem de Ferro desde que a Marvel levou a história pros cinemas, mas eu realmente gostei bastante desse filme. Shane Black assumiu a direção depois de Jon Favreau ter comandado os 2 primeiros filmes, e não deixou a desejar (embora eu, Letícia, prefira o Jon Favreau). Foi o primeiro filme lançado pelos estúdios da Marvel (aliás, God bless o dia em que a Marvel decidiu assumir a produção dos filmes) depois de The Avengers: Os Vingadores, e trouxe às telas o Mandarim – que, vamos combinar, é um dos melhores vilões de HQs de todos os tempos. E, Robert Downey Jr., sem comentários.

1- Star Trek: Além da Escuridão

Star Trek: Into Darkness

  • Eu tava tão ansiosa pra ver esse filme que eu assisti nos EUA mesmo, quando nem tinha estreado no Brasil. Pois é, nesse nível. Tava lá em plenas férias e cismei de que tinha que ir ao cinema ver esse filme ainda na estréia. E fui. E não me arrependi nem um pouquinho. Nossa, que filmaço. J. J. Abrams não brincou em serviço e fez um filme que vai muito além dos efeitos especiais muito bem feitos: a história prende a gente de uma forma que chega arrepiar. Agora imagina como eu fiquei assistindo em IMAX 3D? Foda.

E nesses meses de 2013 que nos restam? Ainda tem coisa boa vindo por aí. Vou contar pra vocês quais os 2 filmes estão me deixando mais ansiosa, completando o nosso top 10 de hoje:

1- O Hobbit: A desolação de Smaug

The Hobbit: The Desolation of Smaug

  • Depois de “O Hobbit: Uma Jornada Inesperada” no ano passado, é lógico que eu estou morrendo de ansiedade pra ver a continuação. E, gente, vai ter dragão (!!!).

2- Thor: O Mundo Sombrio

Thor: O Mundo Sombrio (2013) Poster

  • Embora não seja (nem de longe) o meu herói favorito, ter um motivo pra ir aos cinemas pra ver uma adaptação de HQ é sempre motivo de alegria, né? 

Gostaram dessa listinha? Será que faltou algum filme? Conta pra gente aí nos comentários o que vocês pensam!