Arquivo da tag: listas

as minhas descobertas de beauté de 2013

Em 2013, eu tomei coragem de experimentar muita coisa que ainda não tinha entrado na minha rotina de beauté – fosse por falta de oportunidade, ou porque eu achava caro mesmo. Isso acabou resultando em novas descobertas de muita coisa bacana, que definitivamente mudaram a minha vida e a minha rotina de cuidados, sem me tomar muito tempo.

01

faltou o Fine One One da Benefit nessa foto xD (#falhanossa)

Da Nivea: Milk hidratante para o banho

nivea

  • hidratante para o banho Milk: Eu sempre fui fã dos cremes da Nivea. Acho que eles hidratam bem, são cheirosos, e tem uma textura boa. Mas a preguiça sempre me fez “esquecer” de passar hidratante com a devida frequência. Quando vi esse hidratante para ser usado no banho, achei a grande revolução do ano! Depois de me lavar, eu passo o hidratante, e enxáguo antes de sair do banho. É como se fosse passar sabonete mais uma vez! E a pele fica bem macia mesmo. Minha dermatologista ficaria orgulhosa!

Da Benefit: Speed Brow, Fine One One, the POREfessional, e Fake Up

benefit

  • máscara de sobrancelhas Speed Brow: Esse gel de tom natural para sobrancelhas tem sido a minha salvação! A vida inteira eu tentei corrigir os pelinhos da minha sobrancelha com óleo de amêndoa e mais um milhão de coisas da “sabedoria de família”, mas nada resolvia. Tem uns pelinhos na minha sobrancelha que são muito teimosos e sempre crescem pro lado errado, e o Speed Brow tem colocado eles no lugar desde que comecei a usar.
  • blush Fine One OneTem um amigo meu que se refere a esse blush como “pintura de índio”, pela forma como ele se aplica! As três cores, escolhidas para dar destaque, contorno e cor ao rosto (e também aos lábios!), vem em bastão, e a aplicação absurdamente fácil salvam a palidez do dia a dia sem me tomar mais do que 30 segundos pra passar. 
  • primer The POREfessional: Sabe aqueles dias que você acorda com cara de cansada, mas tem um montão de coisas pra fazer e não pode dormir o tempo todo? E aí te falta tempo de ~passar reboco na cara~ e você não sabe o que fazer pra ficar menos horrenda? O POREfessional resolve esse problema em dois tempos. A textura é super leve, e ele é super fácil de aplicar. O resultado é uma pele de bebê, com jeito de princesa que dormiu super bem de noite.
  • corretivo Fake Up: Eu nunca me dei bem com corretivos na vida. Sempre acabava deixando as olheiras aparentes porque não sabia usar um corretivo sem deixar com aparência “craquelada”. Até que eu experimentei esse Fake Up da Benefit e fiquei impressionada: ele não só cobre perfeitamente as olheiras, como também trata a região dos olhos, hidratando a pele e diminuindo estes sinais. Mesmo que as minhas olheiras ainda fiquem razoavelmente acentuadas porque são sinais de alergia, o Fake Up corrige muito bem, e é super fácil de aplicar.

Da Carmex: healing cream

carmex

  • healing cream: eu amo Carmex num grau que vocês nem calculam. Sempre que vou pros EUA, faço estoque dos balms! Aí, em janeiro desse ano, quando tava renovando o estoque, vi umas embalagens promocionais dos balms com esse healing cream, e resolvi testar. Me arrependi de não ter trazido mais! Ele é ótimo, e um ótimo substituto pro Neutrogena. Essa embalagem é pequenininha e é ótima pra deixar na bolsa – ou até mesmo no bolso.

Da Granado: creme para mãos e desodorante em spray para os pés

granado

  • creme para as mãos: minhas mãos são muito muito secas, mas eu sempre tive nervoso de passar creme e ficar com a mão melecada. O único que não me deixava com essa sensação era um da Neutrogena que eu comprei em Londres, mas o meu estoque acabou. Não fiquei órfã de creme porque descobri o Carmex Healing Cream (vou falar dele mais abaixo!) e também esse da Granado, que tem uma textura deliciosa e hidrata muito bem as mãos!!
  • desodorante em spray para os pés: Eu tenho PÂNICO de xulé. Nunca tive, e nem quero ter! Eu lembro da época do ballet, quando era pequena, e algumas meninas tinham xulé, e era um horror na hora de tirar o tênis pra colocar as sapatilhas, e vice versa. Já tinha vergonha alheia por causa disso quando tinha meus 4 ou 5 anos! Por isso que eu sempre usei talco em pó da Granado! Mas, esse ano, como comecei a ficar mais tempo em Brasília, percebi que a minha pele ficava muito ressecada com o talco em pó. Descobri o desodorante antisséptico em spray para os pés, também da Granado, e foi a solução para prevenção do xulé sem sacrificar a minha pele. Ele é geladinho gostoso demais, e deixa o pé muito cheiroso!

Da TRESemmé: Split Remedy

tresemmé

  • spray para pentear Split Remedy: Vocês não fazem ideia do quanto o meu cabelo fica embaraçado. Era uma dor danada pra pentear e deixar ele direitinho, porque, ao longo do dia, eu amarro, solto, prendo, uso arco, grampo, etc, e aí ele fica igual um ninho (#exageros)! Mas esse spray me ajuda a pentear o meu cabelo sentindo menos dor – e ainda deixa super cheiroso. De quebra, ainda ajuda a prevenir fios quebrados.

Do Lee Stafford: máscara Hair Growth Treatment e finalizador Blow Dry Your Hair Faster Wonder Spray

lee stafford

  • máscara Hair Growth Treatment: Comecei a usar essa máscara para “fazer o cabelo crescer” em outubro, e já estou no segundo pote. Quando li sobre ela, achei que não fosse possível, mas o cabelo realmente cresce mais e mais rápido. Eu não tenho muita paciência pra cuidar do meu cabelo, mas tava querendo testar algum jeito de fazer ele crescer mais pra que eu perdesse um pouco do medo de cortar. E essa máscara é bem prática: eu lavo o cabelo, passo a máscara e, enquanto lavo o resto do corpo no banho, ela vai fazendo efeito. Tecnicamente, eu deveria esperar 5 minutos até enxaguar e passar o condicionador, mas nem sempre eu tenho paciência. Mesmo assim, tô vendo o resultado, e o meu cabelo tá crescendo bem mais rápido.
  • finalizador Blow Dry Your Hair Faster  Wonder Spray: Depois do sucesso da máscara para “fazer o cabelo crescer”, descobri esse spray da mesma marca, e resolvi investir pra testar. Deus sabe o quanto eu detesto secador de cabelo! Mas não é sempre que dá pra deixar meu cabelo secar ao natural – por exemplo, quando tá frio ou tá chovendo, porque eu não quero pegar pneumonia – e aí eu preciso enfrentar o secador. Esse spray realmente diminui o tempo pra secar, e ainda facilita o processo de pentear!

Da 2beauty: Solução Higienizadora de Pincéis

marina

  • Solução Higienizadora de PincéisAtire a primeira pedra quem nunca teve preguiça de limpar os pincéis?! Eu tenho, e muita! Mas desde que comprei essa solução inventada pela Marina do 2beauty, minha vida mudou. De vez em quando (ok, bem menos do que eu devia) eu dou uma geral nos pincéis de maquiagem e eles ficam super hiper mega ultra limpinhos, sem muito esforço!

O melhor de tudo é que dá pra achar a maioria desses produtos em farmácias pelo Brasil, ou na Sephora!

Anúncios

os melhores discos de 2013

Um dos primeiros posts do Geek Land listou os melhores filmes geek que chegaram (ou chegariam) aos cinemas em 2013, de acordo com a minha humilde opinião. E hoje eu vou contar pra vocês quais foram os meus 10 discos favoritos nesse ano. Afinal, já é Natal na Leader Magazine já é dezembro, e acho que já dá pra fazer um balanço razoavelmente justo. Vou falar pra vocês que, pra mim, foi bem difícil fazer essa listinha resumida – e, mais, elencar os álbuns numa ordem justa de preferências! Mas vamos lá:

10- What About Now – Bon Jovi

O 12º álbum da banda de New Jersey foi criticado negativamente por muita gente, mas eu achei bacana. Sim, Bon Jovi é uma banda um pouco cliché (e deu pra perceber isso claramente no Rock in Rio, abarrotado de gente que conhecia apenas os hits mais populares da banda), mas dá pra notar nesse álbum as raízes do rock n’ roll da década de 1980. Destaque para ‘Because We Can‘, ‘The Fighter‘, e para aquela que dá nome ao álbum.

9- Native – OneRepublic

O 3º álbum de estúdio entrou nessa lista por motivos de: ‘Counting Stars‘. OneRepublic não é uma das minhas bandas favoritas, mas vez e outra eles lançam umas músicas que merecem 5 estrelas no meu iTunes e acabando tocando no repeat por horas na minha vida. Gostei tanto dessa música que acabei ouvindo o álbum todo, e gostei também de ‘If I Lose Myself‘ e ‘Feel Again‘.

8- Mechanical Bull – Kings of Leon

Tinha muito tempo que eu esperava por um disco do Kings of Leon que me fizesse ter vontade de gritar as canções da banda a plenos pulmões como eu faço com ‘Use Somebody‘, embora eu tenha curtido bastante o álbum “Come Around Sundown“. Destaque para ‘Supersoaker‘, ‘Comeback Story‘, ‘Rock City‘, e ‘Don’t Matter‘.

7- To be Loved – Michael Bublé

A voz suave de Michael Bublé, combinada à músicas cheias de sentimento, faz desse um disco perfeito. O disco conta com a participação de Bryan Adams em ‘After All‘, Reese Witherspoon em ‘Somethin’ Stupid‘, Naturally 7 em ‘Have I Told You Lately That I Love You‘, e The Puppini Sistes em ‘Nevertheless (I’m In Love With You)‘. Destaque também para ‘To Love Somebody‘, ‘Who’s Lovin’ You‘, ‘Come Dance With Me‘, ‘To Be Loved‘ e, claro, ‘You’ve Got a Friend in Me‘.

6- AM – Arctic Monkeys

Com uma batida intrigante, o 5º álbum dos Arctic Monkeys parece ter sido gravado por 4 caras que gostam de improvisar música na garagem de casa. E é isso o que sempre mais me atraiu no som do Arctic Monkeys: essa coisa crua que tem no som deles. O álbum conta com participações especiais de Josh Homme, Bill Ryder-Jones, e Pete Thomas. Lançado em setembro, esse álbum foi nomeado para diversos prêmios em 2013, ganhando o Q Awards de melhor faixa para ‘Do I Wanna Know?‘. ‘One for the Road‘, ‘Mad Sounds‘, ‘Fireside‘, ‘I Wanna Be Yours‘, e ‘Why’d You Only Call Me When You’re High?‘ merecem atenção em um álbum tão bom que é difícil escolher poucos destaques.

5- Comedown Machine – The Strokes

Eu tinha perdido um pouco a fé nos Strokes depois de Angles. Na verdade, o First Impressions of Earth já tinha me deixado um pouco desanimada, ainda que tenha algumas faixas que eu ame de paixão. Mas Comedown Machine ~restaurou a minha fé~ e me fez reconhecer os Strokes que eu gostava tanto no início dos anos 2000. A minha favorita é ‘80s Comedown Machine‘, mas ‘One Way Trigger‘, ‘All the Time‘, e ‘Call It Fate, Call It Karma‘ também merecem destaque.

4- The 20/20 Experience 2 of 2 – Justin Timberlake

Parte da The Complete Experience, o 2º álbum de inéditas lançado em 2013 por Justin Timberlake é totalmente excelente. Sim, ele lançou dois álbuns de inéditas em um mesmo ano, depois de 7 anos de jejum. Qual não foi a minha surpresa quando eu soube!! Em setembro, o “príncipe do pop” trouxe a sua batida inconfundível para um álbum maravilhoso, que tem uma característica que eu amo: a continuidade. Parece que uma música foi perfeitamente pensada para continuar a outra. Além disso, as músicas são enormes (‘Gimme What I Don’t Know (I Want)‘ é a menor delas, com 5min31seg), cheias das melhores referências possíveis. Destaque para ‘True Blood‘, ‘TKO‘, ‘Take Back the Night‘, ‘Drink You Away‘, e ‘Only When I Walk Away‘. Ah, sim, e eu vou me arrepender muito a vida inteira de não ter ido no Rock in Rio no dia do show do Timberlake (sim, isso seria contra os meus princípios, mas pelo Justin eu deveria ter quebrado as minhas regrinhas).

3- The 20/20 Experience – Justin Timberlake

Sim, Justin Timberlake não só lançou dois álbuns de inéditas em um mesmo ano, como os dois entraram nessa listinha de top 10. Acontece que a ~parte 1~ da “experiência”, lançada em março, é, na minha opinião, ainda melhor do que a segunda, por motivos de: eu esperei muitos anos por um disco de inéditas do Justin, e aí ele lança um disco que é redondinho do início ao fim, cheio de músicas que mereceram 5 estrelas no meu iTunes. É por isso que esse álbum é mais do que top 10, é top 3 em 2013! Eu tinha uma expectativa muito alta depois do Futuresex/Lovesounds, que é um dos álbuns que eu mais gosto na vida, e todas elas foram superadas pelo The 20/20 Experience – aliás, The Complete Experience superou qualquer expectativa que eu tinha. Esse álbum tem a mesma continuidade entre as músicas do 2 of 2, e as faixas ‘Pusher Love Girl‘, ‘Suit & Tie‘, ‘Don’t Hold the Wall‘, ‘Tunnel Vision‘, ‘Spaceship Couple‘ e ‘Let the Groove In‘ me fizeram lembrar o quanto eu sempre fui apaixonada pelo “príncipe do pop”, com orgulho e com amor. Aí eu ouvi ‘Mirrors‘ e eu já não sabia mais o que fazer da minha vida, porque essa música me emociona de um jeito que eu nem sei explicar.

2- Paradise Valley – John Mayer

Imagina a situação: você é muito muito fã de um cantor/compositor há mais de uma década e ele, de repente, descobre que tem um tumor na garganta. Eu simplesmente surtei quando soube que o John, o meu John, tava nessa situação em 2011. Esse tumor, inclusive, atrasou o lançamento do álbum Born and Raised em alguns meses. Quando Paradise Valley saiu, eu mal podia esperar pra ver (ouvir) o que o meu John tinha escrito pra mim (sim, eu falo dele com essa propriedade mesmo, é meu e pronto!), e todas as minhas expectativas tinham sido superadas. Ok, eu sou um tanto suspeita, mas eu me apaixonei por TODAS as faixas desse disco na primeira vez que eu ouvi. A vontade era dar 5 estrelas pra todas no iTunes, e comprar várias cópias do disco, pra deixar uma em cada canto e poder ouvir o tempo todo. É esse o disco que eu escolho pra ouvir quando tô estressada por causa da dissertação e/ou do mestrado, e também quando tô feliz. ‘Wildfire‘, ‘Dear Marie‘, ‘Waitin’ on the Day‘, ‘Paper Doll‘, ‘I will be found (Lost in the Sea)‘, ‘You’re No One ‘Til Someone Lets You Down‘, e ‘Badge And Gun‘ são absolutamente maravilhosas. Thank you, John; thank you.

1- Lightning Bolt – Pearl Jam

Em qualquer outra circunstância, quem ocuparia o 1º lugar nessa lista seria John Mayer com seu Paradise Valley, porque, né, é o John Mayer. Na verdade, John reinava soberano no topo da lista até que chegou outubro e, com ele, esse disco maravilhoso do Pearl Jam. E aí eu vi que eu era obrigada a eleger Lightning Bolt o melhor disco de 2013. A atmosfera densa do disco e faixas como ‘Mind your Manners‘, ‘Infallible‘, ‘Pendulum‘, e ‘Let the Records Play‘ me fazem ter certeza de que esta é a escolha certa. E, como se não bastasse, ‘Sirens‘ foi eleita não só uma das minhas músicas favoritas de 2013, mas uma das minhas músicas favoritas da vida pra sempre. Eu ouço essa música repetidas e incontáveis vezes seguidas, e ouço o álbum incontáveis vezes. É muito amor, muito amor mesmo. Esse é um daqueles discos pra se ouvir por muitos e muitos anos sem perder o encanto pelas notas cruas e raivosas que soam tão maravilhosas por conta do brilhantismo de Jeff Ament, Stone Gossard, Mike McCready, Matt Cameron, e, é claro, do muso maior Eddie Vedder. Eddie pode ter cortado os cabelos, mas o seu charme, o seu garbo e a sua elegância permanecem os mesmos.

necessaire pra uma viagem curtinha

Nesse final de semana, que tá um pouquinho maior por conta do feriado da República, vou fazer uma viagem rapidinha pra participar do casamento de amigos. Estava há pouco arrumando a mini-mala e aproveitei pra fotografar tudo o que vou levar na minha necessaire – que é, basicamente, o que me acompanha em qualquer viagem, às vezes mudando a marca de uma coisa ou outra, e adaptando o tamanho ao tempo que vou ficar fora.

Vocês vão notar que, no caso dessa viagem, eu dei preferência à miniaturas, e até mesmo algumas amostras grátis. Pra fotografar, dividi os meus “companheiros de viagem” em grupos: do banho; dos dentes; dos olhos; cuidados diversos; e primeiros socorros. Sempre que eu viajo, eu procuro organizá-los nesses grupos em diferentes necessaires pequenas, porque acho mais fácil pra achar alguma coisa quando preciso!

Do banho:

do banho

1 e 2: shampoo e condicionador EOS. Eu não tenho nenhuma frescura com marca de shampoo e condicionador, e o cheirinho desses me agradou bastante. O tamanho é bem conveniente pro que eu devo precisar nessa viagem. Quando acaba o conteúdo de uma embalagem assim, eu costumo encher com o shampoo (grandes chances de ser um Johnson’s Baby) e o condicionador que eu estiver usando naquela época, pra não ter que carregar a embalagem grande.

3: sabonete líquido de algum hotel. Sim, eu sempre faço o Ross nos hotéis e, ao final da viagem, se eu gostar do cheiro, eu pego todos os vidrinhos que foram colocados à disposição e não foram usados. Acho sabonete líquido bem prático de levar em viagens curtas, até porque sabonete é uma coisa que os hotéis e pousadas costumam disponibilizar. Se eu já não tivesse chegado num hotel que não tinha sabonete, eu acho que nem levaria – mas é melhor prevenir do que remediar!

4: sabonete íntimo Dermacyd. Cuidar da saúde íntima é importantíssimo, e eu adorei quando consegui esse vidrinho em miniatura, bem mais prático e conveniente pra carregar do que uma embalagem de, sei lá, 200ml.

5: sabonete líquido facial Clean & Clear da Johnson & Johnson. Na verdade, vai ser a primeira vez que eu vou viajar carregando um sabonete específico pra lavar o rosto. Fui na dermatologista essa semana e ela me recomendou um da La Roche-Posay pra uso diário, mas a embalagem dele é imensa. Há um tempo atrás ganhei um trio de miniaturas da linha Clean & Clear, e acho que não vai ter problema substituir uma marca pela outra nessa mini-viagem.

6: loção hidratante La Roche-Posay. Eu não viajo sem levar um bom hidratante pra passar depois do banho. Aliás, eu não saio de casa sem ter na bolsa um mini-hidratante. Essa versão pequenininha da La Roche-Posay foi a minha dermatologista que me deu, pra essas ocasiões de viagens rápidas mesmo, mas eu sempre usei bastante os hidratantes da Nivea e da Neutrogena, e também das marcas de farmácia dos EUA (CVS e Walgreens, por exemplo).

7: desodorante roll on Garnier. Eu não sou xiita em relação a nenhuma marca ou tipo de desodorante; pode ser roll on, spray, bastão, qualquer coisa serve, desde que garanta a proteção que a gente precisa. Tenho usado esse bí-o ClarifyRenov da Garnier porque tava na promoção e acabamos estocando aqui em casa, e tô satisfeita com ele.

8: óleo finalizador Moroccanoil. Eu já falei sobre a minha relação com o Moroccanoil naquele post sobre óleos para cabelo, onde eu também já tinha dado a dica de que usava esse vidrinho pequeno pra levar em viagens. Acho super prático, e é um jeito de levar o meu óleo favorito numa quantidade suficiente pro período que vou ficar viajando.

Dos dentes:

dos dentes

9 e 10: escova Condor e pasta de dentes Colgate. Esses dois andam sempre dentro da minha bolsa, pra onde quer que eu vá. Ultimamente tenho comprado (ou só pego mesmo com a minha dentista xD) sempre essas escovinhas da Condor, que são práticas porque já tem a proteção das cerdas, e ainda fica maiorzinha se a gente acoplar a tampa ao corpo da escova. As mini-pastas de dentes eu também consigo com a minha dentista, mas tá bem fácil de achar “kits de viagens” com essas mini-pastas de dentes nas farmácias.

11: enxaguante bucal Cepacol. Ninguém merece bafinho, né, e não dá pra descuidar quando a gente tá viajando. Já que não dá pra levar aqueles vidros imensos de enxaguante bucal, essas embalagens menores dão conta do recado. Vou levar essa da Cepacol que ganhei há pouco tempo, mas já enchi muito vidrinho de miniatura do enxaguante da Colgate com Listerine, e por aí vai. Mais uma vez, não me pego na marca disso não.

12: fio dental Sanifill. Ok, eu confesso: eu quase não uso fio dental. Eu sempre me machuco quando uso, acho que meus dentes são juntos demais, ou então eu não sei usar isso direito mesmo. Mas eu tento, tanto quando tô em casa quanto em viagens.

13: aparelho móvel dentro da caixinha. Importante, né, porque os dentes cismam em “apinhar” e eu não quero voltar a usar aparelho fixo pela 3ª vez.

Dos olhos:

dos olhos

14: solução para lentes de contato Renu. Eu tinha um frasco ainda menor (de 75ml), mas eu não consegui encontrar, então vou levar esse de 120ml mesmo. Eu gosto mais do Bio-True do que do Renu, mas ainda prefiro o Renu ao Opti-Free.

15: caixinha com lentes de contato. As próprias. Às vezes eu levo mais de um par, porque pra perder não custa. Teve uma vez que eu achei que tinha perdido as lentes no percurso SDU-BSB, e acabei comprando lentes descartáveis em Brasília (duas caixas, porque eu tenho graus diferentes nos olhos), pra depois descobrir que elas estavam dentro da bolsa o tempo todo.

16: óculos de grau. Eu demorei anos pra ser apta a usar lentes de contato porque tenho hipertrofia papilar. Acho que, por conta disso, eu ainda não consigo usar a lente 100% do tempo. Eu sinto logo que os meus olhos ficam cansados, irritados, e eu odeio essa sensação, então eu nunca viajo sem levar um par de óculos de grau. Muitas vezes eu nem saio de casa sem levá-los na bolsa, pra poder trocar caso eu tenha alguma uma irritação enquanto estiver na rua.

Cuidados diversos:

cuidados

17: creme para o rosto Normaderm da Vichy. Esse é um outro item que entra pela primeira vez na minha necessaire de viagem, depois da última visita à dermatologista, quando tive que fazer um micro-procedimento pra tirar uma espinha-que-não-nasceu. A minha dermatologista me recomendou usar esse creme à noite, pra hidratar o rosto, e prevenir cicatrizes depois desse micro-procedimento. Ela me deu alguns sachês do creme pra que eu leve nessas viagens curtinhas, e eu achei ótimo, porque uma embalagem de 75ml custou quase R$90 e vocês já sabem que #bolsistasofre.

18: lip balm Carmex. Eu não sei se já declarei aqui no blog o meu amor pelo Carmex nas suas mais variadas formas. Pode ser em bastão, em tubinho, ou como nesse potinho aí da foto: eu não vivo sem. Tenho um em cada bolsa, não saio de casa sem ter passado, e nunca deixei de ~fazer um estoque~ quando viajava com frequência pros EUA. Se não fosse o Carmex, os meus lábios ainda ficariam super ressecados e rachados, e eu ainda arrancaria muita pele deles – sim, era um hábito horrível que eu tinha. Com lip balm, sim, eu tenho mesmo preferência de marca, e o Carmex tem lugar garantido na minha vida!

19: lenços umedecidos Ricca. Eu sempre tive mania de andar com lenço umedecido na bolsa. A gente nunca sabe o que pode acontecer, né? Eu comprava aqueles de usar em bebê mesmo, e nunca ficava sem. Tem pouco tempo que descobri esse da Ricca, e achei a embalagem tão fofa que resolvi comprar.

20: perfume Coco Mademoiselle da Chanel. Eu adoro esse perfume, e quase sempre é o meu escolhido pra festas/eventos importantes que acontecem durante o dia. Sim, esse casamento nesse final de semana será durante o dia! Não saio de casa sem perfume, e não poderia viajar sem levar pelo menos um vidrinho.

21: lenços de papel. De qualquer marca ou tamanho, não vivo sem. A gente nunca sabe quando será o próximo espirro ou a próxima crise alérgica, então carrego sempre na bolsa ((vocês tão vendo que tem um sem número de coisas que andam sempre na minha bolsa, né? Qualquer dia eu mostro tudo o que carrego no “chumbo”, apelido carinhosamente dado pela minha mãe a toda e qualquer bolsa onde eu enfie todas as minhas tralhas).

22: Rub Relief da Dr Scholl. Eu não lembro quando foi que comprei um Rub Relief pela primeira vez, mas eu sei que ele mudou a minha vida. Sempre passo antes de sair de casa, carrego na bolsa, e não me arrisco a calçar nenhum sapato sem antes proteger o meu pé de eventuais machucados com ele.

23: lenços demaquilantes da CVS. Eu gosto bastante de usar os lenços demaquilantes da Neutrogena, da Ponds e da Nivea, mas comprei esse pacotinho na CVS numa emergência, e não me arrependi. Ele não irrita a minha pele e, por conter poucas unidades, é ótimo pra levar em viagens curtinhas. Sem contar que essa tampinha pra fechar é mega prática e não deixa os lencinhos ressecarem quando ficam guardados.

24: demaquilante bifásico para os olhos da Sephora. Por muito tempo eu fui fiel ao Bi-Facil da Lancôme, mas recebi essa miniatura da versão bifásica da Sephora e não tenho o que reclamar dela. Ok, eu ainda gosto mais do da Lancôme, mas o da Sephora é bem mais barato, e tem dado conta do recado de tirar a maquiagem à prova d’água que costumo usar nos olhos.

25: mini-canivete e pinça. Esse mini-canivete tem tesourinha, lixa de unha, faquinha, e ainda é chaveiro! Super prático. E não dá pra andar sem pinça, né, porque sempre aparece na sobrancelha aquele pelo que não deveria estar ali, então acho fundamental ter sempre à mão (advinha? Também tenho sempre uma na bolsa!). O problema é que eu vivo perdendo minhas pinças (provavelmente quando troco de bolsa, né).

26: protetor solar em bastão Pure & Free Baby da Neutrogena. Há alguns anos que eu só uso os protetores solares da Neutrogena. Eu não sei nem explicar direito porquê eu gosto tanto deles, mas eu gosto. E eu adorei encontrar essa versão mini do Pure & Free, com FPS 60, em bastão. É super prático pra levar em viagens rapidinhas, e também na bolsa.

27: spray para pentear Split Remedy da Tré Semmé. Depois de anos negligenciando solenemente o meu cabelo, e ignorando qualquer procedimento de cuidado além do shampoo-condicionador-moroccanoil, surgiu esse spray pra pentear que não me exige nenhum esforço e ainda deixa os fios mais bonitos. Tem alguns meses que tô usando direto, e já percebi que meu cabelo não quebra tão facilmente, além de uma redução notável das pontas duplas.

Primeiros socorros:

primeiros socorros

28: micropore transparente e da cor da pele. Eu não consigo viver sem micropore. Eles conseguem resolver tantos problemas tão facilmente! Pra viajar, eu sempre levo esses dois tipos, porque nunca sei de qual vou precisar. Na bolsa, costumo levar o transparente mesmo, porque ele é mais durinho e é melhor pra colocar no pé, por exemplo, caso um machucado seja inevitável.

29: kit de primeiros socorros da Johnson & Johnson. Eu sou a rainha dos machucados, e esse kit já me salvou muitas vezes. Dentro dessa embalagem branca, tem band-aids de dois tamanhos, gaze e lenços antissépticos.

30: spray antisséptico Neosporin. Esse spray é ótimo: previne infecções em uma ferida sem arder. Nessa categoria eu também não me apego à marca não: desde que seja pequenininho e dê pra carregar na bolsa, tá valendo!

31: pomada antibiótica da CVS. Ok, ok, vocês já perceberam que eu levo 7399283 coisas de primeiros socorros, e podem até pensar que eu sou um pouquinho hipocondríaca. Mas eu tenho pavor de me machucar ou sofrer qualquer intercorrência e não ter com o que me cuidar. É por isso que levo também essa pomada antibiótica, principalmente pra aliviar eventuais coceiras e alergias.

32: loção repelente de insetos OUT Inset da Bom Bril. Não posso dar mole pros insetos, porque, se eles me mordem, fico logo com alergia, a pele fica vermelha (ou até roxa – já aconteceu!), e é um sofrimento. Esse repelente da Bom Bril é bem legal. Eu gostava mesmo de um que comprei em Botsuana, mas quem ia imaginar que eu ia gostar tanto que deveria estocar?! Nem passou pela minha cabeça, e eu não sei quando voltarei lá (será que algum dia eu ainda voltarei à Botsuana?!).

33: desinfetante em spray Lysol. Isso é muito prático pra ter sempre por perto! Um pouco de Lysol pode prevenir gripes, resfriados, e o contágio das mais diversas doenças virais.

34: gel para aliviar coceiras da CVS. Se o repelente não funcionar, e um inseto me morder, eu recorro à esse gel, que é super eficiente! A última vez que um inseto me mordeu e eu não usei esse gel, fiquei com uma ferida imensa na perna de tanto coçar (zero auto-controle quando o assunto é coceira).

35: tira-manchas Tide-to-Go. Esse é um verdadeiro salva-vidas, eu não sei viver sem ele há uns 5 anos, e é por isso que ele foi fotografado junto com os itens de primeiros socorros! Eu sou mestra em derramar refrigerante e espirrar molho em mim mesma (é, pois é), e esse Tide-to-Go já evitou muitas vezes que as manchas permanecessem nas minhas roupas. O cheiro dele é meio esquisito, mas compensa quando penso que evita manchas eternas nas rou

eu não entendo as pessoas nos aeroportos

Hoje é segunda feira, tá um bom dia pra reclamar da vida. Afinal, é a primeira segunda feira do horário de verão, eu estou em Brasília, está um calor infernal, e várias coisas já deram errado hoje.

Pra vocês terem uma ideia, nos primeiros minutos do meu dia eu causei um curto circuito feio em casa, porque não vi que o fio tinha ficado dentro da grelha, e ele consequentemente fritou junto com o meu pão, e aí fez um barulho enorme e queimou e a casa toda apagou. Na mesma cozinha, horas depois, eu deixei a panela elétrica de arroz cair no chão não apenas uma, mas duas vezes, e, na segunda vez, ela quebrou. Dois prejuízos em um dia só. Bem assim.

Mas não é disso que eu quero reclamar agora. Eu quero compartilhar com vocês a minha agonia quanto ao comportamento de determinadas pessoas em aeroportos. Veja bem, eu não quero dizer que sou expert na rotina de aeroportos, mas, sim, tenho algum conhecimento de causa. São alguns anos viajando de avião pra lá e pra cá, de dentro do Brasil pra fora, de fora pra dentro, etc; são anos observando os comportamentos alheios em aeroportos, sem entender muito bem o porquê de determinadas atitudes/escolhas.

no aeroporto

Sem mais delongas, aqui vai uma lista explicada das coisas que eu não entendo no comportamento das pessoas em aeroportos.

1- Figurino

Aeroportos não são os lugares mais confortáveis do mundo. Além disso, nunca podemos contar com a pontualidade dos vôos/conexões; a gente nunca sabe quando aquele vôo Rio-SP (ou, como acontece frequentemente na minha vida nos últimos tempos, Rio-BSB/BSB-Rio) que não deveria tomar mais de 2h do meu tempo (considerando chegar uma hora antes do vôo, mais os 45min de vôo Rio-SP, mais uma eventual espera de malas) pode se tornar uma experiência de muitas horas. Diante de situações assim, que podem causar transtorno, a gente não vai querer se preocupar com a roupa, né? É fundamental estar confortável.

oi?

oi?

Eu simplesmente não entendo quem vai pro aeroporto com roupa colada (calça ou vestido/saia), salto alto, decotão, toda maquiada como se estivesse indo pra noitada. E, acreditem, é mais comum do que se pensa. Não quer dizer que a pessoa deva ir zoada pro aeroporto, mas acho que, na escolha do look o conforto tem que estar sempre em primeiro lugar. Um decote enorme no aeroporto pode revelar mais do que se quer, quando menos se espera. Uma roupa colada pode subir enquanto você tá puxando as suas malas, e não conseguiria ajeitar o que foi pro lugar onde Minha dica é achar um sapato que não aperte, uma calça que te dê mobilidade suficiente, e também ter sempre a mão algo que possa te proteger do ar condicionado gelado dos aviões.

2- Mala de mão oversized

As companhias aéreas estabelecem um limite de tamanho e peso para bagagens de mão. Aqui no Brasil tá ficando cada vez mais difícil embarcar com malas de mão, por conta das restrições – mas quem vai direto pro portão não faz nem ideia disso. E tem gente que simplesmente não respeita o tamanho máximo das malas de mão. Isso é um problema pra quem carrega e pros outros passageiros por motivos de: além de ser difícil de encaixar a mala no bagageiro, a tal mala pode ocupar muito mais do que o espaço destinado inicialmente pra uma só bagagem, restringindo o espaço que outros passageiros poderiam usar.

f_120425

3- Mais malas de mão do que o permitido

Isso é outra coisa que me incomoda muito. Eu entendo – e acho mais do que justo – que as companhias aéreas restrinjam a bagagem de bordo a uma mala de mão e um item pessoal. A verdade é que isso é mesmo o suficiente pra que você faça uma viagem curta, ou mesmo acomode seus objetos de valor e uma (ou duas) muda(s) de roupa pro caso de extravio de bagagem. Mas eu vejo muita gente em aeroporto que abusa. Outro dia, numa das minhas idas e vindas de Rio-BSB, uma moça entrou no avião com 5 itens de mão. Veja bem, CINCO ITENS DE MÃO. Ela tinha uma bolsa pessoal, uma mala de rodinhas, uma mochila, e duas sacolas de compras.

Gente, isso é o cúmulo do exagero/falta de consideração com os outros passageiros. Pra essa pessoa guardar todos os seus itens de mão, obrigatoriamente vai ocupar o lugar que seria destinado às bagagens de bordo de outro passageiro. E nenhum funcionário da companhia aérea falou nada – o que eu achei ainda mais absurdo.

4- Embalar malas nos plásticos

Eu me senti obrigada a abrir um tópico só pra falar nisso. Se tem uma coisa que eu aprendi nessa vida é que mala foi feita pra ser destruída. Não adianta quanto cuidado a gente tenha, ela não vai durar linda e limpinha e inteira por muito tempo. Já tive mala que durou 10 anos, já tive mala destruída na primeira viagem. E embalar em plástico é apenas um gasto desnecessário (a menos que o seu destino seja algum lugar na África, aí realmente eu recomendo – um dia eu conto o porquê, num post do viajante geek). Já vi muita gente embalando mala, gastando uns 50 reais (ou até mais, dependendo do aeroporto gringo), pra proteger algo que foi feito para ser destruído. Apenas aceite que sua mala foi feita para ser destruída, compre uma mala barata (ou invista numa com garantia) e liberte-se dessa neura.

esteira-de-bagagem-size-598 - 2

5- Salto alto

Eu sempre fico muito muito incomodada quando vejo alguém em aeroporto de salto alto. Não sei se é porque eu abomino esse tipo de sapato, mas a simples ideia de usar salto pra viajar é inconcebível pra mim. Gente, já é ruim de carregar bagagem de sapato sem salto, imagina de salto? Se o vôo atrasa, já é ruim ficar esperando, imagina de salto?

size_590_pessoas-aeroporto1

Ok, tem gente que sai do aeroporto direto pra uma reunião, e não pode se dar o luxo de chegar de tênis num ambiente de trabalho, mas acho que rola substituir o salto por uma sapatilha – pelo menos nas horas de aeroporto. É só guardar o salto na mala de mão e trocar quando chegar no destino – elas existem pra isso.

6- Fotógrafos

Eu não consigo me lembrar de nenhuma viagem saindo ou chegando no Santos Dumont em que eu não tenha visto alguém famoso (ou alguma sub celebridade). E sempre tem um paparazzo atrás, tentando um bom clique do dito cujo. Eu entendo que é o trabalho deles, e que tem gente que gosta de ver fotos dos artistas na vida real, na rotina de aeroporto, mas tem uns fotógrafos que perdem a noção. Aconteceu comigo: na busca de uma foto perfeita de uma artista, um paparazzo simplesmente bloqueou o portão de acesso à sala de embarque. Não dá pra entender.

7- Fila no gate 

Isso é outra coisa que não faz o menor sentido. Por que raios as pessoas formam filas nos portões de embarque muito tempo antes do mesmo ser anunciado? É esquisito demais. Cada um tem o seu lugar marcado, e o avião não vai sair dali sem ninguém – ou melhor, o avião não vai decolar sem que seja anunciada a última chamada para embarque. Não é mais fácil ficar sentado, aguardando a chamada do seu grupo de embarque? Eu acho.

caos

caos

8- Guardar a mochila no bagageiro

De volta à bagagem e ao bagageiro, eu não consigo entender quem viaja com uma mochila e/ou uma bolsa pessoal como bagagem de mão e não coloca embaixo da poltrona na sua frente. É tão mais prático e mais rápido, e ainda deixa mais espaço livre pra quem leva uma mala de rodinhas, ou uma mala de mão que não cabe em baixo da poltrona.

9- Gente que perde a paciência

Tem gente que simplesmente não aceita o fato de que shit happens. Se acontece na vida, acontece no aeroporto. Num aeroporto, o mais importante é não perder a calma. Se você vai fazer isso lendo um livro, ou lendo uma revista, ou ouvindo música, ou mexendo no seu tablet/notebook, não importa. Mas, por favor, não perca a paciência, e não faça escândalo. É feio, e incomoda a todos a sua volta. Pense que o avião não atrasou só pra você, e que tem mais gente na mesma situação. Não adianta reclamar com o funcionário se o painel mostrar que o seu vôo tá atrasado, ou mesmo sem previsão de embarque.

Eu já vi casos em aeroportos em que foi preciso chamar a polícia federal para acalmar um sujeito exaltado que gritava com funcionários da companhia aérea. O negócio foi tão feio que o cara quase foi impedido de embarcar. Além disso, a confusão ainda fez com que o vôo atrasasse ainda mais, depois de um atraso de mais de 3 horas.

pessoas em Aeroporto

Tem aqueles que perdem a paciência esperando a bagagem na esteira. Gente, não adianta: é muita mala pra pouco funcionário e pra pouca esteira. Alguma mala vai ter que demorar. Ao invés de reclamar que tá demorando, concentre em desejar que a mala chegue. Melhor ficar esperando a mala por um tempo e ela chegar, do que simplesmente ter a bagagem extraviada.

10- Malas sem rodinhas 360º

Não dá pra entender quem ainda vive sem uma dessas. Além de serem um milhão de vezes mais fáceis de empurrar, elas costumam ser infinitamente mais leves. É tão fácil de carregar que muitas vezes não é nem preciso pegar um daqueles carrinhos de aeroporto pra empurrar.

um geek year nos cinemas

2013 está quase acabando e podemos dizer que foi um bom ano para os geeks irem aos cinemas. Sim, ainda há muito por vir, porém já podemos fazer um balanço do que já assistimos – e também compartilhar as nossas expectativas pelo que ainda está por vir. Ao todo, poderíamos listar cerca de 50 “geek movies”, ainda que nem todos tenham chegado ou cheguem ao circuito brasileiro (ou niteroiense).

Foi difícil, mas elegi os meus top 10 filmes geeks que assisti nos cinemas em 2013. Vem ver:

10- O Cavaleiro Solitário

O Cavaleiro Solitário

  • Falem o que quiser, eu gostei desse filme. E como eu não poderia gostar se o filme era dirigido pelo Gore Verbinski, produzido pelo Jerry Bruckheimer, e ainda tinha Johnny Depp?! Menção honrosa pro Armie Hammer. O ~recalque hollywoodiano~ que assombrou esse filme bate nos longos cabelos de Depp e volta.

9- Universidade Monstros

Monsters University

  • Vocês podem até questionar, espernear, dizer que “filme de criança não”. Mas, gente, fala sério: Mike Wazowski chegando na faculdade de aparelho?! Me senti muito representada (até porque quando estreou eu estava usando aparelho – de novo -, mas isso é história pra outro post). É claro que esse filme – um prequel – não tem o apelo de Monstros S.A., mas é bastante divertido, e tem várias lições bacanas pra essa geração que tá crescendo agora. Talvez eu esteja exagerando um pouquinho, mas é possível dizer que se mais crianças fossem tocadas pela história desse filme – que fala de bullying, amizade, superação – o mundo seria um lugarzinho melhor quando os baixinhos de hoje forem grandinhos amanhã.

8- Jurassic Park: O Parque dos Dinossauros 3D

Jurassic Park 3D

  • Acho que essa versão em 3D é a realização dos sonhos de uma geração – ou várias gerações – né? Não tem nem muito o que dizer sobre esse filme. Achei muito bom ver a tecnologia de 1993 ser transformada pras telonas em 2013. Way to go, Spielberg.

7- O Homem de Aço

  Man of Steel

  • Esse talvez tenha sido a maior decepção de todos os filmes que assisti em 2013. Ok, é muito bom; ok, os efeitos são incríveis. Mas eu esperava mais. Com a direção de Zack Snyder e produção de Chris Nolan, eu esperava que a história tivesse sido melhor contada, e também esperava uma atuação mais pujante Henry Cavill. Da Amy Adams eu nem falo muito que é pra não ficar mais decepcionada: ela é uma atriz que eu adoro, mas achei que a Lois Lane dela ficou aquém do esperado (pelo menos por mim). 

6- Meu Malvado Favorito 2

Despicable Me 2

  • O Gru é um geek de coração, né? Eu fiquei completamente gamada pelo Meu Malvado Favorito e aguardava ansiosamente pela continuação. Tudo bem que foi um filme quase que só sobre os minions, mas acho que a Universal soube explorar bem o sucesso dos pequenos e adorados personagens pra fazer um filme que agradasse a todos.

5- Red 2: Aposentados e Ainda Mais Perigosos

Red 2

  • Esse foi com certeza um dos melhores do ano. Me diverti pra caramba com esse filme que, convenhamos, já ganha a gente em qualquer trailer, com um elenco fera desses. As sequências de ação são fantásticas e, combinadas ao humor inteligente, faz desse um daqueles filmes que vale o ingresso, a pipoca, a Coca Cola, e mais um pouco. 

4- Wolverine: Imortal

Wolverine

  • Taí um filme que provocou em mim o efeito contrário d’O Homem de Aço: eu fui com tão pouca expectativa (ok, nem tão pouca assim) que acabei sendo positivamente surpreendida. É verdade que eu gosto bem mais das HQs da Marvel do que da DC, e que tenho um carinho especial (~own que fofo~) pelos X-Men, mas eu realmente gostei bastante do filme. Ao contrário de Homem de Aço, que me cansou um pouquinho, eu curti cada segundo da projeção de Wolverine: Imortal. Ponto para a cena depois dos créditos, que me fez encher os ólhos d’água com esperança (e vou parar de falar sobre isso por aqui porque, né, vai que alguém não assistiu).

3- Pacific Rim

Pacific Rim

  • Monstros gigantes lutando contra robôs gigantes. Preciso dizer mais alguma coisa? Ah, sim, obrigada, Guillermo Del Toro.

2- Homem de Ferro 3

Iron Man 3

  • Ok, eu tenho uma queda pelo Homem de Ferro desde que a Marvel levou a história pros cinemas, mas eu realmente gostei bastante desse filme. Shane Black assumiu a direção depois de Jon Favreau ter comandado os 2 primeiros filmes, e não deixou a desejar (embora eu, Letícia, prefira o Jon Favreau). Foi o primeiro filme lançado pelos estúdios da Marvel (aliás, God bless o dia em que a Marvel decidiu assumir a produção dos filmes) depois de The Avengers: Os Vingadores, e trouxe às telas o Mandarim – que, vamos combinar, é um dos melhores vilões de HQs de todos os tempos. E, Robert Downey Jr., sem comentários.

1- Star Trek: Além da Escuridão

Star Trek: Into Darkness

  • Eu tava tão ansiosa pra ver esse filme que eu assisti nos EUA mesmo, quando nem tinha estreado no Brasil. Pois é, nesse nível. Tava lá em plenas férias e cismei de que tinha que ir ao cinema ver esse filme ainda na estréia. E fui. E não me arrependi nem um pouquinho. Nossa, que filmaço. J. J. Abrams não brincou em serviço e fez um filme que vai muito além dos efeitos especiais muito bem feitos: a história prende a gente de uma forma que chega arrepiar. Agora imagina como eu fiquei assistindo em IMAX 3D? Foda.

E nesses meses de 2013 que nos restam? Ainda tem coisa boa vindo por aí. Vou contar pra vocês quais os 2 filmes estão me deixando mais ansiosa, completando o nosso top 10 de hoje:

1- O Hobbit: A desolação de Smaug

The Hobbit: The Desolation of Smaug

  • Depois de “O Hobbit: Uma Jornada Inesperada” no ano passado, é lógico que eu estou morrendo de ansiedade pra ver a continuação. E, gente, vai ter dragão (!!!).

2- Thor: O Mundo Sombrio

Thor: O Mundo Sombrio (2013) Poster

  • Embora não seja (nem de longe) o meu herói favorito, ter um motivo pra ir aos cinemas pra ver uma adaptação de HQ é sempre motivo de alegria, né? 

Gostaram dessa listinha? Será que faltou algum filme? Conta pra gente aí nos comentários o que vocês pensam!