Arquivo da tag: adaptações

músicas covers que amamos

A listinha de músicas pra embalar essa nossa sexta feira tá curtinha, mas tá cheia de amor. Tem músicas que tocam e encantam, e que ficam simplesmente melhores quando algum outro artista pega e faz uma releitura própria da canção. Sim, tô falando dos famosos covers. Quando eu canso de leve da minha seleção musical, saio catando covers que me façam sorrir. É, simples assim: se a música me estampar um sorriso no rosto, tá valendo, e ela entra logo pra minha biblioteca, e vai ficar no repeat por alguns dias. Pra mim, covers de músicas são uma grande prova de que tudo se transforma!

1- Ainda é Cedo – Frejat

  • Uma fórmula fácil que deu muito certo: um clássico do rock nacional, numa versão feita pelo lorde brasileiro do rock n roll (Frejat, te amo S2), com guitarras ainda mais distorcidas e solos ainda mais inspirados.

2- Love of My Life – Scorpions

  • Fazer cover do Queen não é pra qualquer um, mas acho que os caras do Scorpions acertaram em cheio. A voz do Klaus entoando essa canção consegue me emocionar tanto quanto Freddie Mercury, e acho que isso é motivo suficiente pra fazer dessa música um dos meus covers favoritos.

3- Como é grande o meu amor por você – Lulu Santos

  • Lulu Santos e como tornar uma das músicas brasileiras mais lindas da vida numa versão rock n roll maravilhosa. Só isso, porque não resta muito mais o que dizer.

4- Viva la Vida – Weezer

  • Weezer é banda que sempre me lembra o comecinho da minha adolescência, e que eu ouço até hoje pelos velhos tempos. Aí eles pegam e fazem a sua própria versão de uma música do Coldplay que eu adoro, e só me fazem agradecer por eu não ter perdido o hábito de escutá-los.

5- Fluorescent Adolescent – Kate Nash

  • Embora eu seja super fã dos Arctic Monkeys desde o início da carreira, nunca tinha dado muita bola pra essa música especificamente. Sei lá, não batia. Até que eu ouvi esse cover com a fofa da Kate Nash. Achei que a música ficou tão leve, tão suave, e ainda assim rock n roll cantada por ela!

6- Titanium – Boyce Avenue

  • Essa música é o verdadeiro exemplo de que covers podem superar – e muito – as versões originais. Eu não sei vocês, mas eu tenho uma certa preguiça desses hits eletrônicos que tocam direto nas rádios. Nada contra quem gosta, mas eu pessoalmente não costumo escolher esse tipo de música pra ouvir quando tô estudando, por exemplo. Mas a letra de “Titanium” é realmente bacana e motivadora, e eu gostei muito de descobrir esse cover. Aliás, Boyce Avenue é uma banda que tem um tino pra fazer covers, e eu recomendo uma olhadinha cuidadosa no canal deles no YouTube.

7- Não quero dinheiro – Frejat

  • É, eu sei, dose dupla de Frejat nessa mixtape de hoje. Mas não deu pra resistir. A história é a seguinte: eu quase morri mesmo de tanta emoção quando tava lá no Rock in Rio nesse ano e o meu cantor/guitarrista favorito entoou a minha música favorita do Tim Maia. E só ele mesmo, com essa versão linda dessa música que eu amo, poderia fechar a listinha de covers dessa sexta feira.

Gostaram da seleção? E acharam bacana a mixtape comentada? Conta pra gente (: e boa sexta pra todo mundo!

um geek year nos cinemas

2013 está quase acabando e podemos dizer que foi um bom ano para os geeks irem aos cinemas. Sim, ainda há muito por vir, porém já podemos fazer um balanço do que já assistimos – e também compartilhar as nossas expectativas pelo que ainda está por vir. Ao todo, poderíamos listar cerca de 50 “geek movies”, ainda que nem todos tenham chegado ou cheguem ao circuito brasileiro (ou niteroiense).

Foi difícil, mas elegi os meus top 10 filmes geeks que assisti nos cinemas em 2013. Vem ver:

10- O Cavaleiro Solitário

O Cavaleiro Solitário

  • Falem o que quiser, eu gostei desse filme. E como eu não poderia gostar se o filme era dirigido pelo Gore Verbinski, produzido pelo Jerry Bruckheimer, e ainda tinha Johnny Depp?! Menção honrosa pro Armie Hammer. O ~recalque hollywoodiano~ que assombrou esse filme bate nos longos cabelos de Depp e volta.

9- Universidade Monstros

Monsters University

  • Vocês podem até questionar, espernear, dizer que “filme de criança não”. Mas, gente, fala sério: Mike Wazowski chegando na faculdade de aparelho?! Me senti muito representada (até porque quando estreou eu estava usando aparelho – de novo -, mas isso é história pra outro post). É claro que esse filme – um prequel – não tem o apelo de Monstros S.A., mas é bastante divertido, e tem várias lições bacanas pra essa geração que tá crescendo agora. Talvez eu esteja exagerando um pouquinho, mas é possível dizer que se mais crianças fossem tocadas pela história desse filme – que fala de bullying, amizade, superação – o mundo seria um lugarzinho melhor quando os baixinhos de hoje forem grandinhos amanhã.

8- Jurassic Park: O Parque dos Dinossauros 3D

Jurassic Park 3D

  • Acho que essa versão em 3D é a realização dos sonhos de uma geração – ou várias gerações – né? Não tem nem muito o que dizer sobre esse filme. Achei muito bom ver a tecnologia de 1993 ser transformada pras telonas em 2013. Way to go, Spielberg.

7- O Homem de Aço

  Man of Steel

  • Esse talvez tenha sido a maior decepção de todos os filmes que assisti em 2013. Ok, é muito bom; ok, os efeitos são incríveis. Mas eu esperava mais. Com a direção de Zack Snyder e produção de Chris Nolan, eu esperava que a história tivesse sido melhor contada, e também esperava uma atuação mais pujante Henry Cavill. Da Amy Adams eu nem falo muito que é pra não ficar mais decepcionada: ela é uma atriz que eu adoro, mas achei que a Lois Lane dela ficou aquém do esperado (pelo menos por mim). 

6- Meu Malvado Favorito 2

Despicable Me 2

  • O Gru é um geek de coração, né? Eu fiquei completamente gamada pelo Meu Malvado Favorito e aguardava ansiosamente pela continuação. Tudo bem que foi um filme quase que só sobre os minions, mas acho que a Universal soube explorar bem o sucesso dos pequenos e adorados personagens pra fazer um filme que agradasse a todos.

5- Red 2: Aposentados e Ainda Mais Perigosos

Red 2

  • Esse foi com certeza um dos melhores do ano. Me diverti pra caramba com esse filme que, convenhamos, já ganha a gente em qualquer trailer, com um elenco fera desses. As sequências de ação são fantásticas e, combinadas ao humor inteligente, faz desse um daqueles filmes que vale o ingresso, a pipoca, a Coca Cola, e mais um pouco. 

4- Wolverine: Imortal

Wolverine

  • Taí um filme que provocou em mim o efeito contrário d’O Homem de Aço: eu fui com tão pouca expectativa (ok, nem tão pouca assim) que acabei sendo positivamente surpreendida. É verdade que eu gosto bem mais das HQs da Marvel do que da DC, e que tenho um carinho especial (~own que fofo~) pelos X-Men, mas eu realmente gostei bastante do filme. Ao contrário de Homem de Aço, que me cansou um pouquinho, eu curti cada segundo da projeção de Wolverine: Imortal. Ponto para a cena depois dos créditos, que me fez encher os ólhos d’água com esperança (e vou parar de falar sobre isso por aqui porque, né, vai que alguém não assistiu).

3- Pacific Rim

Pacific Rim

  • Monstros gigantes lutando contra robôs gigantes. Preciso dizer mais alguma coisa? Ah, sim, obrigada, Guillermo Del Toro.

2- Homem de Ferro 3

Iron Man 3

  • Ok, eu tenho uma queda pelo Homem de Ferro desde que a Marvel levou a história pros cinemas, mas eu realmente gostei bastante desse filme. Shane Black assumiu a direção depois de Jon Favreau ter comandado os 2 primeiros filmes, e não deixou a desejar (embora eu, Letícia, prefira o Jon Favreau). Foi o primeiro filme lançado pelos estúdios da Marvel (aliás, God bless o dia em que a Marvel decidiu assumir a produção dos filmes) depois de The Avengers: Os Vingadores, e trouxe às telas o Mandarim – que, vamos combinar, é um dos melhores vilões de HQs de todos os tempos. E, Robert Downey Jr., sem comentários.

1- Star Trek: Além da Escuridão

Star Trek: Into Darkness

  • Eu tava tão ansiosa pra ver esse filme que eu assisti nos EUA mesmo, quando nem tinha estreado no Brasil. Pois é, nesse nível. Tava lá em plenas férias e cismei de que tinha que ir ao cinema ver esse filme ainda na estréia. E fui. E não me arrependi nem um pouquinho. Nossa, que filmaço. J. J. Abrams não brincou em serviço e fez um filme que vai muito além dos efeitos especiais muito bem feitos: a história prende a gente de uma forma que chega arrepiar. Agora imagina como eu fiquei assistindo em IMAX 3D? Foda.

E nesses meses de 2013 que nos restam? Ainda tem coisa boa vindo por aí. Vou contar pra vocês quais os 2 filmes estão me deixando mais ansiosa, completando o nosso top 10 de hoje:

1- O Hobbit: A desolação de Smaug

The Hobbit: The Desolation of Smaug

  • Depois de “O Hobbit: Uma Jornada Inesperada” no ano passado, é lógico que eu estou morrendo de ansiedade pra ver a continuação. E, gente, vai ter dragão (!!!).

2- Thor: O Mundo Sombrio

Thor: O Mundo Sombrio (2013) Poster

  • Embora não seja (nem de longe) o meu herói favorito, ter um motivo pra ir aos cinemas pra ver uma adaptação de HQ é sempre motivo de alegria, né? 

Gostaram dessa listinha? Será que faltou algum filme? Conta pra gente aí nos comentários o que vocês pensam! 

sobre séries: Marvel’s Agents of S.H.I.E.L.D.

Quando eu soube que a Marvel ia lançar a sua primeira série para TV, o meu coração bateu mais forte. Eu acho que já contei aqui que eu adoro os Vingadores, e o universo construído para que a história se desenvolva. Logicamente, a possibilidade de ver o dia a dia dos Agents of S.H.I.E.L.D. (pra quem não sabe: Strategic Homeland Intervention, Enforcement and Logistics Division, ou Divisão de Intervenção Interna Estratégica de Logística e Aplicação da Lei) foi motivo pra me deixar mais do que feliz e ansiosa com a novidade.

marvel's agents of SHIELD

É lógico que não dá pra esperar um filme de super heróis da Marvel quando estamos assistindo a uma série de TV, mas a diversão é, sim, garantida. A história, situada no pós-The Avengers (ou seja, depois daquela batalha toda em NYC e destruição e caos e tal), funciona como uma sequel – ou seria uma prequel pro próximo filme?

Há uma boa dose de humor no seriado, conduzido por Joss Whedon (produtor do filme The Avengers). Whedon produz, dirige e escreve (junto de Jed Whedon e Maurissa Tancharoen) a primeira temporada da série, e imprime aos episódios um estilo já conhecido por aqueles que acompanham as sagas dos Vingadores nos filmes da Marvel.

S.H.I.E.L.D. cast

da esquerda para direita: Simmons (Elizabeth Henstridge), Fitz (Iain De Caestecker), May (Ming-Na Wen), Coulson (Clark Gregg), Ward (Brett Dalton), Skye (Chloe Bennet).

Boas sequências de ação são combinadas a efeitos especiais bons o suficiente pra agradar o público que vê TV. O elenco foi bem escolhido e me parece entregar um bom trabalho nos seus papéis – menos a Skye, que me parece meio sonsa, meio monga, mas tô dando uma chance pra atriz, e quem sabe mudar o meu conceito sobre ela.

Coulson

A surpresa de ver que Phil Coulson is not dead, com Clark Gregg e seu humor afiado dando um tom todo especial pro personagem, foi encabeçada ao ver Colbie Hill linda maravilhosa musa levando Maria Hill também pra telinha.

Maria Hill

Sem dúvida, a série deixa fãs e entusiastas bem felizes com a possibilidade de imersão semanal no universo das HQs levado às telinhas com qualidade e sabedoria. Vamos combinar: Marvel’s Agents of S.H.I.E.L.D. é alegria semanal pros geeks de plantão.