Arquivo da categoria: as menores coisas

a dificuldade de encontrar boas roupas

Estou exausta. Há dias – ou melhor, há quase um mês, estou em uma busca incessante por boas roupas, e não encontro. Por conta do acompanhamento nutricional (tô devendo post! Eu sei!), emagreci 8kg e meu corpo mudou muito nos últimos meses, então o que me servia até pouco tempo atrás está dançando no meu corpo e todas a grande maioria das minhas roupas parecem que são emprestadas. Exemplo: uma calça jeans que minha mãe me deu no início de novembro já está IMENSA pra mim. E olha que já tentei fazer ela encolher lavando várias vezes.

Enfim. Por conta disso, eu preciso de roupas novas. É precisar mesmo, porque nada me serve bem. Diminuir roupas não é comigo, tenho horror até de dar bainha, sofria com cada calça jeans que tinha que dar bainha antes de adotar as skinnys pra minha vida (amor eterno!). Não gosto de costureira, não gosto de conserto. Gosto de roupa que sai da loja pronta pra usar. Saias e vestidos longos? Quase nunca uso. Comprei uma no Zimbábue que não dei bainha até hoje. Tá no armário. Souvenir.

Dezembro é um mês cheio de comemorações. Já começa com o meu aniversário, depois vem happy hour disso, encontrinho daquilo, aí já é Natal, ano novo, e verão, calor, inferno. Lembro que liguei lá de Brasília pra mamãe na semana do meu aniversário e falei “mãe, não tem roupa. Não tem roupa nas lojas que valha a pena comprar. Não sei o que vou usar no meu aniversário.” Se aniversário pra mim já é Ano Novo, e eu faço questão de usar a roupa toda nova, que dirá depois de perder tanto peso como perdi. A salvação do aniversário foi uma blusa de seda (100%! raridade!) que achei na Maria Filó, combinada com calça jeans da Zara (que já está grande).

Aí cheguei semana passada em Niterói e vi que não tinha roupa nem pra passar o Natal. A princípio, eu ia passar de pijama mesmo (que também tá grande, mas qualquer coisa vale pra ficar confortável em casa), mas acabou que vamos viajar. A solução: ir às compras. Ou tentar ir às compras.

Impressionante como as lojas estão com todas as roupas iguais. Todas. Uma ou outra com uma coisinha um pouquinho diferente, mas aí não tem tamanho, ou é de material sintético, ou veste mal, ou tudo isso junto. Tudo tem recortes, tudo tem transparência, tudo é cropped, tudo é com “rabo de peixe”, tudo tem renda. Tudo é feito de material sintético. É um festival de 100% poliéster e 100% viscose por tudo quanto é arara. E os preços todos lá no alto.

Quando encontrava alguma coisa que daria pra usar, nada veste bem. Nem mesmo em uma das lojas que mais comprei nos últimos tempos consigo encontrar roupas pra mim. Até considerei comprar um vestido longo (55% linho 45% viscose) e dar bainha pro ano novo; ficou imenso, quase cabia outra de mim ali dentro.

Onde estão as fibras naturais, meu Deus? Tô cansada de ler tanta etiqueta de roupa escrito 100% poliéster e 100% viscose. Rayon então… E onde está o preço justo pelas roupas? Tem roupa de 3 mil reais de material sintético. Juro. É coisa que não dá pra entender.

E os preços estão afastando os consumidores. A grande maioria das lojas está vazia. Os/as vendedores/as ficam ENLOUQUECIDOS quando entra um potencial comprador na loja. Querem te vender a roupa que não veste bem com preço abusivo, querem te vender tudo de qualquer jeito. Eu sei que não tá fácil pra ninguém, mas não sou eu que vou deixar o suado dinheirinho da minha mãe numa loja que não me vende uma coisa que vale o preço que tá na etiqueta.

Juro que nunca fui cri cri pra compras. Alguns diriam até que sou (ou já fui?!) shopaholic. Meu lado Carrie Bradshaw grita: gosto de ver meu dinheiro no meu guarda roupas. Gosto mesmo. Mas como comprar roupas quando eu não uso cropped, detesto transparências, rabo de peixe não me favorece? Saia midi? Pregueada? Não tenho altura e nem corpo pra isso.

Essa busca por roupas boas e boas roupas cansa. Cansa muito. Chegou um momento hoje que eu simplesmente desisti. Não quis ver mais nada. Desânimo total.

Desde quinta, entrando em todas as lojas, consegui achar um único vestido (100% poliéster, mas não tem muito pra onde correr) que me vestiu razoavelmente bem. Tô entrando em loja que comprei a vida inteira e em loja que nunca comprei, e até mesmo já torci o nariz. Ainda me resta um dia de peregrinação pra tentar achar mais um. Isso porque ainda não achei roupa pro ano novo. Mas essa busca vou deixar pra última semana do ano, em Brasília mesmo.

Quem me dera ter um armário todinho de roupas em fibras naturais, com peças de excelente caimento e que me façam me sentir sempre bem vestida. Um dia, se Deus quiser, eu realizo esse sonho.

Anúncios

cabelo: cortar e doar!

Quem me conhece e/ou acompanha o blog há um tempinho sabe que eu tenho tinha muita vontade de cortar meu cabelo mais curto, mas o apego era muito grande e eu não conseguia largar os fios mais longos. Até tentava tirar 4 dedos a cada visita ao Prya, mas sempre acabei deixando crescer mais do que precisava pra ir cortar.

Até que eu completei meus 25 anos e fui pra Niterói no dia seguinte. Não aguentando mais o calor, nem o peso do meu cabelo (quem vê meu cabelo liso e fino não acredita na quantidade de cabelo da pessoa), nem andar o tempo inteiro com o cabelo preso (além do peso, tava percebendo que os fios tavam ficando com as pontas muito arrebentadas, e eu não tenho a menor paciência pra hidratação…), decidi ir lá no Prya e pedir pro Arthur cortar bastante o meu cabelo, deixando num comprimento long bob.

Deve ter uns dois anos que eu ensaiava esse corte mais curto, acima dos ombros. Mas a coragem só veio mesmo agora, depois de completar um quarto de século. Naquele dia, eu disse que estava em ritmo de mudança. E, aproveitando o final do ano, quis fazer o bem, sem saber pra quem!

O corte rendeu uma “sobra” de cabelo suficiente pra doar pro CABELEGRIA, instituição que recebe doações de cabelos para fazer perucas para meninas que estão tratando o câncer e, por isso, perderam os seus cabelos.

Eu estou amando o meu corte. Acho que não podia ter ~diminuído~ meu cabelo numa hora melhor. Minha auto-imagem melhorou muito depois que cortei, e não estou sentindo nenhuma falta da longa (e já muito repicada) cabeleira. Felipe também amou. E amei mais ainda poder enviar o que era meu cabelo pro CABELEGRIA, com a certeza de que vou ajudar.

Ah, e uma foto do corte novo só pra matar a curiosidade (e deixar registrado o jantarzinho japa delícia da semana passada com os melhores amigos do universo <3):

BTW, o Gabriel mal acreditou quando viu que eu tinha cortado o cabelo! Ele, que é meu bróder, meu amigo de fé, meu irmão camarada, já acompanhou muitos e muitos ataques de corto-não-corto! Era uma vez o apego! Pode vir, 2015!

de um lado pro outro mudando de lado

Nossa, fiquei muito tempo sem passar por aqui, sem contar o que anda acontecendo na minha vida. É que tudo tem sido tão corrido e tão louco ultimamente que, mesmo quando me dá vontade de escrever alguma coisa aqui, nunca dá tempo…

Do final da Copa pra cá, já voltei pra Niterói 3 vezes, o primeiro ciclo de aulas acabou no cursinho aqui em Brasília, e eu finalmente vou ter férias desde que terminei o mestrado \o/

Aqui em Brasília, logo depois que eu voltei de Niterói do dia dos pais, rolou casamento de um casal de amigos e uma ida ao Mané Garrincha pra ver meu Botafogo vencer:

IMG_0419

Também recebemos dois amigos aqui em casa e foi super divertido, e rendeu uma foto pra eternidade, daquelas que merecem porta-retrato e lugar de destaque onde quer que a gente vá morar:

IMG_0518

Meus pais também vieram pra Brasília logo no iniciozinho de setembro, e foi ótimo!

IMG_0713

Em seguida fui pra Niterói e passei 10 dias por lá, me dividindo entre consultas médicas e exames, mas também fui dois dias ao Plaza Fashion Trends, evento de moda que rolou lá no Plaza Shopping exatamente no período em que eu estava em Niterói! Coincidência demais.

#maischapéuporfavor com a Mrs. @capitaozeferino 👒 #hats #plazatrendsniteroi #plazashoppingniteroi #nikitycity

A post shared by Letícia Ortega (@leticiatortega) on

E ainda rolou um Parador Bistrô com essas pessoas queridas:

Daí eu voltei pra Brasília, voltei pro meu aconchego, pro meu amor, e a gente tem dividido os nossos primeiros dias de férias entre idas ao cinema e muito tempo no sofá…

DCIM101GOPRO

infinito particular super bagunçado (x

E eu finalmente comprei um monopod pra usar a minha GoPro, que eu ganhei no meu aniversário de 24 anos e só tinha usado pra 49 fotos até a chegada do monopod milagroso! Agora fico querendo usar toda hora, mas Brasília resolveu não ser muito fotogênica desde que eu voltei de Niterói. Deve ter ficado com ciúmes! Hihihi

E férias que são férias de verdade tem que ter viagem pra curtir e descansar, e outubro veio pra isso, pra gente aproveitar um tempinho longe da correria, longe da “vida de concurseira”, longe das obrigações do trabalho…

A última coisa importante que eu tenho pra falar hoje é talvez a mais importante: estou tendo acompanhamento nutricional há um mês, e estou me empenhando (muito!) pra voltar a ter uma vida e um corpo saudável. Percebi que preciso ter uma alimentação mais saudável e me dedicar mais aos exercícios físicos antes que seja tarde demais. Os exercícios tem sido razoavelmente leves, por conta dessa história do tornozelo ruim, mas até exercícios leves e uma alimentação saudável fazem toda a diferença. Quando voltar das férias, quero escrever mais sobre esse acompanhamento nutricional por aqui mas, por enquanto, deixa eu aproveitar esse mês de outubro pra brincar e ser feliz (:

notícias em meio à copa do mundo!

E aí meu Brasil, essa Copa do Mundo tá demais, não é mesmo?!

photo 2-5

óculos American Eagle Outfitters, blusa Farm, bolsa DKNY, coroa de flores handmade por encomenda quando eu tinha uns 8 ou 9 anos xD

Falar a verdade, tá difícil até de pensar em outra coisa! Cada partida de futebol tá melhor do que a outra, e sempre que eu penso “ah, esse jogo aí não deve ser muito bom não, vou estudar, mas vou deixar a tv ligada só pra garantir”, vem um jogão que me faz morder a língua, deixar os cadernos de lado e ir pra frente da tv. Não que eu me orgulhe disso, longe disso, mas essa é a realidade.

Outro fator que não tá colaborando pros estudos é o meu sistema imunológico de merda fraco. Desde o dia 19/06, dia em que fomos ao Estádio Nacional Mané Garrincha pra assistir Colômbia x Côte d’Ivoire, minha saúde tem ficado mais pra lá do que pra cá. Começou com uma falta de ar na caminhada de volta do Estádio pra casa (3km no sol a pino das tardes de Brasília…), e daí pra frente foi ladeira abaixo.

quase beijando o gramado do Mané Garrincha de tão perto (x

quase beijando o gramado do Mané Garrincha de tão perto (x

O jogo foi incrível, torci muito pela Côte d’Ivoire, e valeu a pena! Pena que a Colômbia que acabou ganhando… Enfim, a saúde sentiu o peso da caminhada no sol, e o organismo reclamou. Depois da falta de ar, veio uma dor de estômago que durou uns 2 dias, aí passou a dor de estômago (também conhecida como mini crise de gastrite) e fiquei com uma tosse seca horrível, depois voltou uma falta de ar pior ainda pra acompanhar a tosse, o que me obrigou a comprar um nebulizador de emergência, e, quando eu achei que tava melhorando, veio aquela cólica que quase arrebenta o ser humano. Ontem, achando que já fava muito bem e muito marota, tive pressão baixa.

E aí é isso aí.

vamos pular essa parte

“Letícia, você sumiu de novo!” é, eu sei, mas vamos pular essa parte.

ou não.

porque, se eu tô sumida, é porque estou consumida. pelo deslocamento no trânsito, pelas aulas no Clio, pela dissertação sem fim.

hoje é o segundo dia nesta semana que eu falto aula por causa da dissertação, e também porque tô pifando. sabe lâmpada quando quer queimar mas não queima de uma só vez? então.

falando em lâmpadas, comprei lâmpadas novas pra casa ontem, habemus luz!

a sensação de sobrecarga tá grande demais. mesmo! sinusite atacou, pressão baixou, cabeça doeu, corpo reclamou, e eu tô com torcicolo.

eu não sei onde eu tava com a cabeça quando achei que ia ser tranquilo dar conta de acabar a dissertação e o mestrado fazendo cursinho.

vamos pular essa parte.

quero força pra acabar logo de escrever! meu Deus, me dá força! meu Deus, me dá sabedoria pra que eu saiba que acabei! meu Deus, não me deixa ficar inventando novas coisas pra escrever numa dissertação que já tá enorme! aí depois o Senhor me ajuda pra continuar forte e estudando pro concurso!

vou comer uns tomates.

mudanças

É, eu sei, fiquei mais um longo período sem passar por aqui pra registrar as minhas ~peripécias~. Acontece que, de repente, e não mais do que repente, eu descobri que as aulas do cursinho preparatório que quero fazer pra me preparar pra remota possibilidade de entrar no Itamaraty começariam agora no meio de abril e, como eu queria fazer o cursinho aqui em Brasília, tinha que preparar uma certa mudança.

É, mudança. “Mas, Letícia, você já não tava passando longos períodos em Brasília na casa do namô por conta da pesquisa?”, vocês poderiam me perguntar. Sim, estava. Desde agosto do ano passado, a mudança já ia tomando forma. Cada vez que vinha pra cá, trazia um pouquinho mais de mim, um pouquinho das minhas coisas. Mas determinadas coisas só puderam vir depois da decisão definitiva, da nossa decisão de morar junto, do apoio dos meus pais à minha escolha de estudar aqui. Afinal, aqui eu estudo – como eu sempre digo.

Foram alguns dias preparando caixas e mais caixas que seriam enviadas pelo Correio, cheias de livros, DVDs, objetos decorativos, maquiagem(!), cabides, roupas, chá de erva cidreira, toalha de mesa, sapatos, e tudo mais que eu precisava pra deixar a nossa casinha aqui mais gostosa e aconchegante. Além disso, fiquei um tempinho pesquisando orçamentos de caminhões cegonha que pudessem trazer o Neville pra cá, combinando preço x prazo. Tô na expectativa de que ele chegue aqui ainda essa semana, e vocês podem acompanhar a hashtag #nevilleporaí no instagram pra ver as aventuras do carro mais bacana do universo.

Além disso, antes de vir pra cá na quarta feira passada, eu ainda precisei ir no ortopedista com urgência, porque não aguentava mais de dor no tornozelo e o último angiologista que consultei disse que o problema não era originário da veia – quero dizer, não tinha nenhum problema na veia propriamente dita – e que, se a dor continuasse, que eu deveria consultar um ortopedista especialista em pés.

E foi isso que fiz. No mesmo dia, fiz raio-x e levei pra ele ver, e ele pediu uma tomografia. Ele suspeita que seja coalizão tarsal + lesão osteolítica, mas o diagnóstico só poderá ser fechado com a tomografia. A tomografia já tá marcada pro dia 22 de abril, quando eu volto pra Niterói pra passar o aniversário da mamãe com ela. Depois da tomografia, é claro que terei que voltar no médico, e o tratamento provável (pra não dizer único, porque eu acredito em milagres!) é cirúrgico. Só que a cirurgia requer uns 2 meses de recuperação, e aí só rola de fazer depois que o cursinho acabar, e ainda tenho que acabar a dissertação, e só Jesus na minha causa.

Por conta da dor, eu preciso ficar com o pé direito pra cima, com gelo, boa parte do meu dia. Pra vocês terem uma ideia, eu tô aqui na biblioteca do MRE estudando/escrevendo dissertação, com essa pequena pausa pra escrever esse post, e tô com o pé pra cima da cadeira – mas sem o gelo -, que é pra ver se eu “aguento”.

Sobre a dissertação, quando eu achei que tava no fim, que tava redondinha, que tava linda, o meu orientador resolveu identificar várias “questões” que devem ser trabalhadas. Nisso aí lá se vai pelo menos mais um mês, eu acho.  Então, além do fantasma de uma possível cirurgia, eu ainda tenho que conviver com a realidade de que, depois de tanto tempo, eu ainda não consegui terminar a dissertação. Isso me afeta severamente.

E, honestamente, a ideia de cirurgia me assusta, me assusta muito, e eu peço a Deus que opere o milagre na minha vida.

Bom, voltando à mudança e à vida em Brasília, ainda tô terminando de organizar as coisas em casa e não vejo a hora do meu carro chegar pra poder sair com #nevilleporaí e comprar (e poder levar!) coisas pra casa que são super necessárias – tanto pra fins de organização quanto pra fins de aconchego.

Falando em aconchego, fui na Forever21 do Rio, no Village Mall, no domingo antes de vir pra cá, e só valeu a pena porque entrei rapidinho com a mamãe na fila preferencial. Sim, mamãe ninja opera milagres, amém. Gostei de ter encontrado as calças que queria ter comprado em janeiro lá em Orlando, e também achei um vestidinho, uma saia e um kimono fofos. Todos vieram pra Brasília e estão felizes de morar aqui.

Aliás, essa história de vir morar em Brasília tem causado uma mudança profunda dentro de mim, como se a frase “I’m heading out west with my headphones on” trouxesse junto um novo estilo de vida. Aproveitei, enquanto arrumava o meu armário e escolhia o que vinha pra cá e o que ficaria em Niterói, pra dar uma “limpa” no guarda roupa, e vi que tinha várias peças guardadas com as quais eu simplesmente não me identificava mais. Em um momento de mudança de cidade, eu também mudo por dentro um pouquinho, e o meu estilo de viver e de me vestir também está refletindo isso. Talvez seja também porque eu só tenho conseguido usar botinhas que protejam o tornozelo…

E hoje é um dia muito especial, porque faz 2 anos que fui ao Lollapalooza com o Felipe e que assistimos a shows incríveis e vimos Foo Fighters maravilhosos e tudo mais o que aconteceu a partir daí.

feeling good

Gente, já pode ser carnaval?!

Tô aqui na biblioteca do MRE tentando progredir na dissertação e acabar o penúltimo(!!!) capítulo mas tá difícil. Além de estar morrendo de fome (como sempre), a concentração tá afetada por motivos de: carnaval tá chegando!! Amanhã volto pra Niterói, e esse ano a folia começa na sexta no primeiro dia de desfiles da Série A do RJ na Sapucaí com a minha família do carnaval (Haddad Haus <3). No sábado, o Felipe chega pro almoço (amém!), e no domingo vamos ~sapucar~ no primeiro dia de desfiles do Grupo Especial. Sim, estou sofrendo porque só vamos assistir ao primeiro dia de desfiles do Grupo Especial, e porque eu não vou ver a Vila Isabel S2 cruzar a Avenida com Sabrina MUSA Sato à frente da bateria de sangue azul. 

Fazer o quê, não conseguimos fechar uma frisa pra segunda feira, e não dá pra arcar com gastos de uma frisa de 6 lugares só pra 2 pessoas né. Paciência! O jeito vai ser assistir a esse dia pela TV nova, que aliás já chegou lá na casa niteroiense, segundo a mamãe me informou hoje. Pois é, já que a gente não vai nos dois dias de desfile, a mamãe resolveu investir numa tv maior e melhor pra sala, e também comprou um ar condicionado novo pro cômodo, porque ninguém merece o calor que tá fazendo no Rio.

Se bem que eu até tô com saudade do calor, do verão, sabe?! Aqui em Brasília começou a fazer frio de repente há uns dias, e é um tal de chover toda hora, e o Felipe perdeu o meu guarda chuva que eu adorava, e eu só tenho uma capa de chuva aqui, e eu fico sofrendo porque não entendo essa saudade súbita que me dá do verão, da praia, do Rio e do meu ~lifestyle niteroiense~ quando tô aqui no cerrado. Logo eu, que sempre achei legal o frio e nunca fui chegada à praia.

Eu acho que eu simplesmente gosto de saber que a praia tá ali, a 3 quadras de distância de casa, sabe. Mas tô me acostumando, e tenho que me acostumar, com essa vidinha ~Brasiliense~, que parece que tá a cada dia mais perto de se tornar mais constante na minha vida. Só Jesus.

Enfim. Os outros dias de carnaval devem ser punks também, porque alguns amigos do Felipe vão daqui de Brasília pro Rio também, e eles adoram blocos carnavalescos, e eu já tô sentindo uma maratona se aproximando. Gosto de blocos e acho a folia divertida, aliás estou ansiosíssima pra chegar em Niterói e ver ao vivo a fantasia que a mamãe comprou pra mim e que eu já tô apaixonada só de ver por fotos ❤ mas eu trocava qualquer bloco por mais um dia (ou dois) de Sapucaí!

Nosso esquenta começou aqui em Brasília, porque eu desci com o disco dos sambas-enredos pro carro e só se ouve isso no José Dirceu. Falando em carro, acho que vou ter que trazer o meu carro pra cá em breve, não tô querendo ficar longe do Neville quando a mudança “definitiva” vier.

Eu escrevi tanto que já podia ser carnaval. Já é carnaval?!