Arquivo do dia: maio 9, 2012

sobre as perdas

é, tem sido uns anos difíceis.

nos últimos anos, venho perdendo pessoas importantes na minha vida, e a dificuldade de lidar com essas perdas é imensa.

em março de 2003, morreu meu tio João, que me fez enfrentar pela primeira vez a realidade da morte de alguém muito próximo e muito querido. passaram-se uns anos, em que as perdas continuavam acontecendo. mas foi em 2007 que as peças do dominó começaram a cair de maneira rápida, com todas as doenças e dificuldades que levaram a cada uma das mortes seguintes, me fazendo ter tanta dificuldade em lidar com elas. em janeiro de 2007, morreu meu padrinho Márcio, aquele que verdadeiramente cumpria o papel de segundo pai. em janeiro de 2009, morreu meu tio Tarcisio, que, com suas brincadeiras e risadas marcantes deixou um silêncio terrível na minha vida. em setembro de 2009, morreu minha vó Laércia, que, mesmo na velhice, tanto me ensinou sobre superação. em agosto de 2010, morreu a Mivó, o amor incondicional e eterno de quem é insubstituível, a saudade mais absurda que eu poderia sentir na minha vida. em junho de 2011, morreu tia Sílvia Helena, um exemplo de força e humildade. e agora, em maio de 2012, perco, de maneira brutal, meus tios Carlinhos e Hellé-Nice, aqueles que tanto me amavam e tanto me davam carinho.

a verdade é que, há pouco, todos eles estavam ao meu lado, dividindo alegrias, dores, anseios, emoções. não mais do que de repente, eles se foram, deixando um vazio imenso e uma saudade presente. a lembrança das vozes amigas, dos sorrisos, dos abraços e da disponibilidade realimentarão o amor que jamais se apagará no meu coração.

a verdade é que tem horas em que me falta o chão, me falta o ar; às vezes, me falta a capacidade de compreender a morte. e é nessas horas em que eu mais preciso me apegar à minha fé e à crença de que a morte é o primeiro passo da aventura seguinte.

a verdade é que, enquanto me sobra a dor, me faltam as palavras.

só o silêncio pode dizer a saudade que eu sinto de cada um de vocês.